Sinopse:

“O êxito suscitado pela divulgação das idéias espíritas, por ocasião do lançamento de O Livro dos Espíritos, em 1857, provocou uma avalanche de cartas dirigidas a Kardec, a maioria interrogando o Codificador sobre este ou aquele ponto de doutrina, embora algumas lhe relatassem os insólitos fenômenos espíritas que despontavam em toda parte, exigindo a sua explicação. E, como se não bastasse, o fluxo crescente de visitantes que acorriam à sua casa, inclusive da nobreza local e estrangeira, ansiando por esclarecimentos mais substanciais.

Naquela época, a Europa só dispunha de um único jornal dedicado à divulgação do Espiritismo, e mesmo assim em Genebra, longe da efervescência de Paris e praticamente fora do alcance dos leitores da cidade-luz, contrariamente ao que ocorria nos Estados Unidos, favorecidos com dezessete jornais consagrados ao espiritualismo.

Foi quando Allan Kardec se deu conta da imperiosa necessidade de criar uma folha que periodicamente pusesse os estudiosos dos fenômenos espíritas a par do que se passava no mundo e os instruísse de modo ordenado sobre as mais variadas questões doutrinárias, embora lhe faltasse o tempo necessário para semelhante empreendimento, considerando-se os seus múltiplos afazeres.

A tarefa não era fácil e implicava gastos de certa gravidade. Mesmo não encontrando quem lhe patrocinasse a obra, Kardec apressou-se a redigir o primeiro número, fazendo-o circular a 1º de janeiro de 1858, por sua própria conta e risco, sem dispor de assinantes e sem contar com fornecedores de fundos. O êxito da Revista foi tão grande que, a partir daquela data, os números se sucederam mensalmente, sem interrupção, tornando-se o jornal poderoso auxiliar de seus trabalhos posteriores.

Do ponto de vista da apresentação, a Revista Espírita manteve as características das publicações científicas. Impressa em papel-jornal, contava com 32 páginas de 23,5 x 15 cm; sua apresentação era rústica, com capas de papel. No final de cada ano os fascículos correspondentes eram reunidos, formando uma coleção de exemplares encadernados, com capa especial e índice alfabético. É da responsabilidade direta de Allan Kardec a publicação dos fascículos que circularam entre 1º de janeiro de 1858 e 1o de abril de 1869, o que não significa que a tenha redigido sozinho, visto ter contado com a colaboração de centenas de participantes, encarnados e desencarnados, dentre os quais cientistas, literatos, filósofos, religiosos e homens do povo, cada qual colaborando com o Mestre na sua respectiva esfera de ação.”

(Evandro Noleto Bezerra, assessor da FEB e tradutor da Revista Espírita do francês ao português.)

Confira mais no site oficial: http://www.arevistaespirita.com.br .

 

Anúncios