Diabinho Coxo, de Leopoldo Machado.

“A história é simples, mas expressiva. E, talvez, cheia de observações e ensinamentos. A corte de Satanás estava agitada. Fora mister se convocasse uma assembléia extraordinária, de diabos, diabões e diabinhos, para tornar-se, oficialmente, conhecimento de fato e determinar-se medidas urgentes de defesa do reino do inferno.”

A peça ressalta como pequenos detalhes fazem a diferença quando deixamos a vaidade e o orgulho falarem mais alto em detrimento da Doutrina Espírita.

Anúncios